Notícias de Nutrição | Edição nº3

Notícias da nutrição está de volta, e desta vez, temos uma parceria com Harriet Smith de surreydietitian.com para falar-lhe das últimas notícias sobre nutrição.

Desde hábitos alimentares e a sua relação com a saúde até comemorações especiais no Reino Unido. Veja aqui tudo o que aconteceu no mês passado no mundo da nutrição.

Alimentos ultraprocessados relacionados com a morte precoce

Dois estudos europeus publicados recentemente forneceram mais evidências de que os alimentos processados ​​podem ser prejudiciais à nossa saúde.

O primeiro estudo foi um estudo de coorte prospectivo francês que avalia o risco de doença cardiovascular. Mais de 100.000 participantes com idade mínima de 18 anos foram acompanhados durante cinco anos, e as suas dietas foram examinadas usando o método do recordatório alimentar das 24 horas anteriores, seis vezes ao longo do estudo de cinco anos.

Eles descobriram que um maior consumo de alimentos ultraprocessados (por exemplo, salgadinhos, chocolate, bolos, etc.) estava associado a maiores riscos de doença cardiovascular, coronária e cerebrovascular.

O segundo estudo foi um estudo de coorte prospectivo espanhol, realizado em quase 20.000 adultos com mais de 15 anos (1999 - 2014). Eles foram acompanhados a cada dois anos e avaliou-se a sua ingestão de alimentos ultraprocessados ​.

O estudo concluiu que comer mais do que quatro porções de alimentos ultraprocessados ​​por dia aumentou o risco de mortalidade por todas as causas dos participantes, quase dois terços (62%). Para cada porção adicional de alimentos ultraprocessados, o risco de mortalidade por todas as causas aumentou 18%.

As manchetes dos jornais certamente foram sensacionalistas; Enquanto ambos os estudos sugerem uma associação adversa entre alimentos ultraprocessados ​​e saúde, são necessários mais estudos para estabelecer a causalidade.

Enquanto isso, é mais saudável ter uma alimentação composta por alimentos menos processados, como frutas, verduras, carnes magras e peixe, grãos integrais, leguminosas e gorduras saudáveis ​​para o coração. Mas isso não significa que os alimentos ultraprocessados ​​não possam ser apreciados em situações ocasionais.

O que come no trabalho é importante

Um novo estudo americano descobriu que os funcionários de um grande hospital que compravam alimentos não saudáveis ​​tinham maior probabilidade de ter uma alimentação não saudável fora do trabalho, excesso de peso ou obesidade, e fatores de risco para diabetes e doenças cardiovasculares em comparação com colegas que fizeram escolhas mais saudáveis.

O estudo transversal envolveu 602 funcionários que adquiriam regularmente alimentos da cantina do trabalho, num estudo de promoção da saúde. Scores de Compras Saudáveis ​​e Scores de Alimentação Saudável foram calculados para cada participante, com base em dois recordatórios alimentares de 24 horas. Eles tiveram a pressão arterial, IMC e HbA1c avaliados, como também dados clínicos e informações autorreferidas para determinar se tinham hipertensão ou (pré) diabetes.

Embora este estudo sugira que compras de alimentos mais saudáveis ​​estão associadas a dietas geralmente mais saudáveis ​​e menor risco de doenças, precisamos de mais ensaios controlados randomizados para descartar potenciais fatores de confusão (ou seja, a quantidade de exercício que um funcionário faz) e confirmar a causalidade.

No entanto, considerando que passamos a maior parte das nossas horas diárias no trabalho, intervenções que incentivam o aumento do número de opções de alimentos saudáveis ​​disponíveis para os funcionários no trabalho, podem ajudar a melhorar a sua saúde e bem-estar.

O Reino Unido celebra a Dietitian’s Week

O Reino Unido celebrou o a Dietitian’s Week (de 3 a 7 de junho), uma iniciativa que celebra e aumenta a conscientização do trabalho dos nutricionistas registados.

O tema deste ano foi #WhatDietitiansDo para explicar a diversidade da profissão e defender o investimento nos seus serviços. Um dos destaques da Dietitian’s Week incluiu uma competição de fotos em que mais de 150 nutricionistas entraram nas fotos, desafiando a suposição de que os nutricionistas registados recomendam apenas dietas para a perda de peso.

As inscrições incluíam um nutricionista filmando um programa de TV, nutricionistas recebendo seus doutorados e diplomas, nutricionistas ajudando os pacientes a usar aplicativos de alimentos e conversando com os pacientes sobre os tubos de alimentação. Para ver as entradas das fotos, clique aqui.

A Dietitian’s Week também coincidiu com o lançamento de um eBook de receitas de caridade, “Dietitian Approved”. Este foi criado por 25 nutricionistas para arrecadar fundos para o Trussell Trust, uma instituição de banco de alimentos para combate à fome. Pode fazer o download de uma cópia por £ 3,99 visitando esta página.


Se ainda não leu, não deixe de ler as nossas edições anteriores de Notícias da Nutrição 1 & 2.

Note que não compartilhamos nenhum aspecto específico em nenhuma destas notícias, o nosso objetivo é simplesmente informar sobre o que os profissionais e as notícias têm discutido para mantê-lo informado, e entregar informação à distância de um clique.

Deixe-nos saber que outras fontes visita para uma análise baseada em evidência científica das informações mais recentes sobre nutrição e outros tópicos que foram destacados recentemente.

alt